Corrupção por “atacado” e “varejo”


Estaríamos vivendo  um “combate à corrupção”?  Definitivamente não. Alguns corruptos  estão sendo presos enquanto outros estão soltos e são governadores, deputados, senadores etc.
Contam até com grandes fã-clubes e são alçados à categoria de “combatentes contra corrupção”.   Como é possível promover uma “cruzada contra corrupção” ao mesmo tempo em que se apoia inúmeros casos de corrupção em São Paulo, por exemplo? É possível  isso? Sim, no Brasil é.

Antes que os “neopolitizados” venham com o velho discurso de que “a corrupção passada não justifica a do presente”, devemos ter em mente que não existe corrupção passada. Pelo contrário. Se no nível federal temos o petrolão que realmente assombra pela quantidade de recursos  envolvidos no “atacado”, temos o “varejo” também.

 

Compra da reeleição

 

Se o “atacado” é do PT, o “varejo” é do PSDB. Varejo que também está na casa dos bilhões desviados e devidamente apurados pela pela Justiça. E também assombra. Como é possível justificar bilhões de reais gastos com reformas de trens velhos cujo valor é praticamente igual aos de trens novos? A proeza é do PSDB que há mais de duas décadas faz o que quer em São Paulo com apoio de quase 60% da população. Essa mesma população que vocifera contra a “corrupção”. É o trensalão devidamente escondido pelos jornais e revistas.

 

Antes que os “neopolitizados” venham com o velho discurso de que “a corrupção passada não justifica a do presente”, devemos ter em mente que não existe corrupção passada.

 

 

A “onda de indignação” criada pela mídia tem esse objetivo: trazer de volta ao poder para promover a rapinagem e a pirataria de vinte e cinco anos atrás. Basta olhar os jornais e revistas dos anos 1990 para ver o que eram realmente escândalos. Mas para a grande mídia isso não existe.

A mídia estrangeira que está longe desse cinismo repugnante, ao olhar para as passeatas do “basta” constatam com uma clareza límpida que os indignados são as classes médias e médias altas. Essas mesmas classes que elegeram ao longo das década Malufs, Pitas, Serras, Alckmins etc.  O combustível que inflama essa massa não é a indignação: é o ódio de classe.

O ódio contra a melhoria de vida de milhões de pessoas. Que proporcionou a diminuição do número de empregadas domésticas cujo o pagamento era um singelo prato de comida.

Ódio contra a doação de R$ 80,00 para atenuar a fome de miseráveis. Mas com o silêncio para um sistema de bolsas acadêmicas que só beneficia  a população mais rica que teve acesso à educação ou de “senhoras indignadas” que não se casam para receber pensões do Ministério do Exército.

Ou que não faz passeata  de 1000 pessoas contra os altos salários de juízes e parlamentares, por exemplo. Mas que vota em dezenas de parlamentares comprometidos com  a corrupção.

Não estamos aproveitando o momento para realmente combater a corrupção. Alguns setores estão procurando a “vingança” por terem perdido algumas regalias.

 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.