Mercosul está dominado pela questão política


Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

No ano em que completa um quarto de século de existência, o Mercosul está dominado pela questão política.

No ano em que completa um quarto de século de existência, o Mercosul está dominado pela questão política. A avaliação é do Professor Charles Pennaforte, do Centro de Integração do Mercosul da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul, e diretor-geral do Cenegri – Centro de Estudos em Geopolítica e Relações Internacionais.

Charles Pennaforte, que em 5 de outubro lançará o livro “Mercosul 25 Anos: Impasses, Avanços e Perspectivas”, escrito em parceria com a Professora Maria de Fátima Bento Ribeiro, lastima que o bloco econômico sul-americano esteja dominado por questões políticas:

“Lamentavelmente, as discussões em torno da Venezuela tomaram conta dos debates no Mercosul. Sob a liderança do Brasil, em particular do ministro das Relações Exteriores, José Serra, a Argentina, o Paraguai e o Uruguai decidiram em conjunto que a Venezuela não assumirá, como lhe competiria neste momento, a presidência do bloco, sendo esta exercida por um colegiado dos quatro países fundadores do Mercosul: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.”

Pennaforte explica que “o Uruguai encerrou o seu mandato presidencial rotativo mas não transmitiu o cargo para a Venezuela, que, por não ter cumprido as exigências para se tornar membro pleno e efetivo, não pôde assumir a presidência. A Venezuela, por sua vez, vive um momento de enormes dificuldades políticas e econômicas, que dificilmente serão sanadas pelo Presidente Nicolás Maduro. Estas dificuldades já vinham sendo enfrentadas pelo seu antecessor, Hugo Chávez, e com Maduro elas assumiram proporção ainda mais grave. Então, hoje o Mercosul é um bloco dominado pela questão política, que envolve abertamente a permanência da Venezuela.” Para o Professor Charles Pennaforte, não se pode descartar a hipótese de que esteja em curso uma articulação para que a Venezuela seja definitivamente excluída do Mercosul.

O Governo de Nicolás Maduro tem prazo até 1 de dezembro deste ano para sanar todas as pendências, meta considerada muito difícil de ser cumprida: “Não sei se podemos falar de uma intenção deliberada de excluir definitivamente a Venezuela do Mercosul, mas o fato é que as posições do Presidente Michel Temer, do Ministro José Serra e do presidente da Argentina, Mauricio Macri, convergem para a mesma direção. A todo momento, os Governos do Brasil e da Argentina miram seu foco no Palácio Miraflores (sede do Governo venezuelano) e explicitam suas posições contrárias às atitudes de Nicolás Maduro. No meu entender, o Governo venezuelano aproxima-se do seu crepúsculo, e disto estão se valendo os governantes sul-americanos contrários ao posicionamento político-ideológico do líder da Venezuela.”

Sobre as perspectivas do Mercosul, Charles Pennaforte é claro: “Acredito que a tendência do Mercosul é de se enfraquecer, como aconteceu nos anos 90, mas adiante poderá se revigorar. A tendência neste momento é de que, enfim, seja firmado o tão sonhado acordo de cooperação com a União Europeia, em detrimento da política de regionalismos que prevaleceu até aqui, estimulada pelos Governos de Lula e Dilma Rousseff no Brasil e dos Kirchner (Néstor e Cristina) na Argentina.”

Finalmente, o especialista Charles Pennaforte adverte que “os governantes sul-americanos precisam avaliar até que ponto é importante e representará ganhos esta aproximação com a União Europeia”. “No bloco europeu, há resistências a esta aproximação com a América do Sul, porque há uma percepção pelos europeus de que seus produtores rurais e empresários poderão sofrer perdas. E o Brasil, que está entre as maiores economias do mundo, precisa refletir muito bem sobre a posição que irá adotar, para evitar danos à sua economia.” O livro de Charles Pennaforte e Maria de Fátima Bento Ribeiro (“Mercosul 25 Anos: Impasses, Avanços e Perspectivas”) tem colaborações de professores latino-americanos analisando passado, presente e futuro do Mercado Comum do Sul.

Mostrar mais: https://br.sputniknews.com/opiniao/201609226384452-mercosul-dominado-politica/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *